terça-feira, 10 de novembro de 2009

O CENTENÁRIO DE JOHN FANTE (Tommy Wine&Beer)




2009 um ano que pretendo apagar de minha memória e que na verdade venho fazendo isto a custo de muito VINHO e CERVEJA marca uma importante data para a literatura, digamos, “ALTERNATIVA”. Pois bem, neste ano, se vivo fosse, o escritor ítalo-americano JOHN FANTE completaria 100 anos. Para este PULHA, leitor raquítico que vos escreve Fante é uma espécie de PRECURSOR da CONTRA-CULTURA, um PROTO-BEAT!



John Fante não foi um escritor que se debruçou sobre os grandes temas da humanidade. Nem procurou inovar em seu estilo sóbrio. Fante é o vinho barato de garrafa de plástico, o VINHO DA JUVENTUDE (título de um de seus livros), vinho que você bebe na rua, caminhando pela Cidade Experimental (Baixa) com pessoas sem grana como você... e eu não tenho paladar intelectual para Proust, me perdoem. Fante se fizesse rock and roll usaria aqueles três acordes básicos, punk, minimalista, cru, discurso direto cheio de emoção, sentimento e algum lirismo.



Nascido no Colorado lançou seu grande clássico “PERGUNTE AO PÓ” em 1939, em que narra as desventuras do jovem miserável e sonhador Arturo Bandini, aspirante a escritor que se apaixona por uma imigrante mexicana de pouca instrução e chegada em queimar um pouco de erva (algo que escandaliza o ingênuo Bandini de formação católica). Para mim o trecho mais emocionante do livro é o que Bandini visita a biblioteca pública de Los Angeles e fica imaginando seus livros juntos a outros grandes escritores de letra “B”.



A mesma letra “B” de Henry Charles BUKOWSKI Jr. que tinha em Fante um DEUS. Assim como a queridíssima escritora, blogueira, cantora e bebedora de sêmen (cujo gosto ela afirma ser de cola tenaz em alguns rapazes) CLARAH AVERBUCK que tem verdadeira devoção por Fante; e o punk-brega catarinense STUART que busca inspiração de suas geniais canções no velho John. Sem falar desse PARVO que assina esta coluna claro.



Fante também escreveu roteiros pra Hollywood, o que me faz lembrar agora da versão para o cinema de PERGUNTE AO PÓ que eu não gostei muito, mas vale a pena pra ver SALMA HAYEK e seus peitões como Camila Lopes.
Em fim, John Fante para caras quixotescos como eu, é gasolina de montão! Leiam!

Um comentário:

Lady Murphy disse...

Ah, cliquei no arquivo e vim parar aqui!!!!

Adorei o texto. Eu amo o Fante também. Amo o Bukowski. Amo essa escrita dura e crua. Real. São deuses no que fazem.

Agora, odeio a Clarah Averbuck. Já a acompanhei na época do BrazileiraPreta, quando eu era adolescente e qualquer bosta me bastava como leitura. Como blogueira, era genial, como escritora, é uma pretensiosa de pouco talento que insiste em se comparar com, e macular a honra dos nossos velhos (Fante, Bukowski, etc)

Dos escritores desse blog, vc é o que menos colabora.

Vamos lá, escreva mais.