sábado, 31 de maio de 2014

"A Mulher Má" (Sannio Carta)

                                   



Poderia escrever sobre as mesmices e as esquisitices comuns que vejo sempre
Os cigarros mentolados, o álbum branco dos Beatles, o meretrício de belas putas
Todas as coisas superficiais e dispendiosas, que para mim, não fazem o menor sentido
Uma foto fazendo beicinho, uma citação sobre algum vinho, ou algo bobo sobre afeição, ou um despolido carinho
Afogado em tantos clichês odiosos, só agora  percebidos, de como a vida é repleta deles
Como aquele "shiihhh", antes do beijo
Já foi tão dito e sussurrado tantas vezes
Acotovelando o tempo em sua caminhada arrastada
Ainda assisto, quem não encontrou algum sentido em seu mundo marginal
Apenas deita os ouvidos sobre o travesseiro
Critica as paixões, supõe algum amor, recita poemas eróticos e vomita lições tolas e desaprendidas
Distribuídas todas em veículos, tais versículos, dos retalhos da sua própria vida
Retalhos não, estilhaços!
Pois só oferece aos espectadores os cacos do que julga bonito em si mesma
Privando-nos de sua essência alcoólica
Mostrando-nos apenas o pré porre
O pré amor
O ensaio que ninguém pediu
O assédio que preteriu que tivessem investido
Só para poder defender a sua tese feminista
Seu amontilhado de bosta filosófica não diplomada
Que ninguém ao menos sequer requisitou
E se tiveram por ela um pensamento lascivo 
Não foi por mal, houve contudo, até certo grau de inocência
Pois se soubessem eles, como ela é neurótica, egoísta, infantil , infiel e desajustada
Não teriam tido nem por um segundo
A vontade de comê-la 

quinta-feira, 29 de maio de 2014

"Bacon" (Tommy Wine & Beer)

                           

Volta Pico! Fora Parázinho!
A história está cheia de casos de atletas com excesso de tecido adiposo, vencedores.
Vide os casos de Walter, Ronaldo, Salvador Cabañas, Perdigão, Neto, Puskás e todos os lutadores de sumô!

                       

"Metrópolis" (Sannio C)

           

E na minha distância, uma arrogância em distúrbio
Nesta minha intemperança, meus planos fantásticos
Um apreço no silêncio
Um cansaço dos rosnados intempestivos 
Sempre buscando castigo
Pelos pecados não comentados
Quero mais relva
Matos e pelos
Montes e cabelos
Insucessos velados 
Rio do aborrecimento em injustiça
Lagoa dos sonhos revoltos
Pântano submergido no concreto rachado
Umidade na ponta dos dedos
Travestis satânicas online
Hippies chapadas
E charme
Qual a diferença entre o parque e o punk?
No meio da semana
Toda a indiferença
E a cidade cospe 
Sua espuma que não é a do mar
Que não sabe amar
É só urbana



segunda-feira, 26 de maio de 2014

"Ruiva" (Sannio C)



I love Lucy!
Mas não aquela Lucy dos céus de marmelada e dos olhos de caleidoscópio(aquela chapada).
I love Lucy da classe mediana, faladeira, dona de um charme até certo ponto, discutível. Lucille dos fios armados, disparando riffs nos dedos de um rei negro, alvejando a platéia e fazendo cair as anáguas.
Os celtas abençoados tinham todos aqueles rostos manchados, de ferrugem de ferro forjado.
Vikings do mares conquistados, filhas de Thor: Ruivas.
Nariz que pende ao vento, resfriados olhares de cores claras, nas palmas ceras, das velas aniversários.
Ela é ruiva e natural, da sociedade a capa, de tintura e ressaca, humana pálida. Estranha, exótica, erótica, fetiche de tarado, vermelhos encaracolados, lisos enfumaçados, você é ruiva e por você tenho respeito. Não só por seu belo par de peitos. E todas rimas baixas que eu possa pensar. É tão fácil me ignorar.
Estanha mania tupiniquim, em crescente, repararem novamente nas ruivas, de forma diferente.
Tantos olhares cobiçosos, bizarros, enfadonhos. Talvez tenham a sorte, esta noite, em algum sonho. De ter em seus braços, uma dona de fios vermelhos.
Mutante criatura dos países altos, estende tuas alvas mãos sobre nós.
(Amém!)

quarta-feira, 7 de maio de 2014

"A Cafeína Salvou O Seu Rabo" (Sannio C)


 A cafeína salvou o seu rabo
 Fato!
Tanto faz, se você considera uma maneira grossa e sem educação
 de expressar um pensamento antigo
Não é nem uma afirmação chula
Mesmo aqui no sul
Onde chula, quer dizer outra coisa
O café é o real ópio do povo, senhoras e senhores
Uma das poucas anestesias lícitas
Trás a taquicardia
de um vencedor
No uso estúpido
do seu uniforme

                                                                                  Uniformemente

 
             Igual  aos outros
                                                                                                                                                                                      É... Difícil crescer
                                                                               
                                                                                  Lidar com todas as novas coisas
                                                                                  Sem perder todas as antigas
                                                                                  A ironia
                                                                                  É que quanto mais você envelhece
                                                                                  Mais parece com seus pais
                                                                                  Sua identidade
                                                                                  É apenas um papel verde
                                                                                 Plastificado
                                                                                 Todos os números escolhidos a esmo
                                                                                Enquanto você busca
                                                                                 por si mesmo (rimou!)
                                                                                Espero que "lucre"
                                                                                 com este texto
                                                                              Me pego afogado em todas estas futilidades
                                                                             As minhas
                                                                             E as dos outros
                                                                            E toda genialidade
                                                                            Me parece depressiva 
                                                                           Implorando por cafeína
                                                                           Fazendo biquinho
                                                                           Pra não queimar
                                                                            a própria língua                                                                                                                                                               

segunda-feira, 5 de maio de 2014

"Feeling Fígado Sem Fadigada Foto" (Sannio Carta)

Suspenso pela cadeia de eventos que me trouxeram ao fatídico dia de hoje.
Erguido por fadas seminuas e bestiais criaturas ofensivas ao criador.
Amanhece o dia e os órgãos internam-se nas paredes abstinentes de uma vontade insólita.
O pensamento que beira abstrair-se, sai como um "pum" silencioso. Curto e fedorento. Como um jab no queixo em plena luz do dia. "Lindo."
Uma tarde no parque com uma velha amiga, a quem os meus maus tratos a fizeram cativa e as minhas eventuais gentilezas a tornaram uma honesta companheira. Mesmo que os lençóis nos tivessem expulsados. Ainda éramos dois pedaços de carne, no açougue macabro do destino. Em meio a pederastas e jovens "emo-cionalmente" "bi-tolados", diante da servidão exuberante da anti-vida. Quase independentes. Caminhávamos. 
No alto da fragilidade de todos os seres viventes e pulsantes, quis estancar o sangue que eclodia em meu cérebro. 
Quis beijar a carne morta de um pássaro caído. 
Abrir os pontos das feridas cobertas, a dentadas sabáticas. 
Quis beijar em face, a fruta e a flor. E fazer amor de um jeito escarnecido. Tornar-me um adversário da ambivalência que era a morte.   
Mas tudo isto, é apenas lixo literato. Só indicado aos insanos, fracassados e aos infiéis. 
Desvio o rosto da Lua e o tênis do mijo. Abunda a noite, nascida.
Quando não se pode construir, se destrói e se corrompe a mais fina trompa. Sem conflitos. Friccionados em todos os nossos vícios.
Sem acenos no portão. Apenas um cobertor de êxtase e ânimo etílico. 
"Deus."