domingo, 28 de novembro de 2010

O CAMINHO DO ARCO-ÍRIS (Sannio, Screeth & Tommy Wine Beer)

Foi no Rossi. A ideia partiu do mais novo colunista do blog: Screeth. A Preta (sortuda) já havia achado um saco de folhas de ofício na José do Patrocínio. Cada um escrevia um período ou meio. Uma suruba literária no mais puro improviso etílico! (O respectivo autor de cada sentença está com seu nome registrado entre parênteses) Sorvam-na como se fosse o último copo de Kaiser quente.

"A cerveja doira sem Literatura"
Tommy Wine Beer.


Era uma vez (Screeth) um veado chinês (Tommy), e isso nunca o impediu de ser um poliglota (Sannio). Pois nascera sob sol em peixes (Screeth) e dava aula de mandarim na Universidade da Restinga.(Tommy)
Ele não tinha dó das partes íntimas (Sannio), e foi assim que conheceu aquele menino de 3 bolas (Screeth): convidou-o para jogar seis-Marias e fumar maconha (Tommy).E viu nele um amor do passado passageiro... (Sannio) só que não podiam viver juntos pq. este antigo amor (Screeth) na verdade era seu ½ irmão estadunidense chamado Bambi (Tommy).

Um estereótipo típico dos devaneios masturbatórios (Sannio) motivou-o a tentar o suicídio (Screeth)com discos do Fresno e uma bolsa DG recheada de piticos (Tommy).
E seria esse o início de um novo fim (Sannio), não tivesse a flatulência lhe acometido antes da morte (Screeth), eis que teve um puta insight: engarrafar flatos, produzindo metano para utilização em termelétricas (Tommy). O espírito feito gás, a vida em uma virilha suja (Sannio), faz a gente pensar...(Screeth)

2 comentários:

paul.eric disse...

Chupa! xp

Anônimo disse...

A história muito produtiva. Me fez pensar bastante. To em dúvida se corro em busca de um amor do passado ou se abro um negócio de gás engarrafado, talvez.