quinta-feira, 6 de maio de 2010

NÃO HÁ OUTRO DIA PRA NÓS DOIS (SANNIO)



-->
Minha opinião ganhava ares de dispensável.
E a sua resposta era a mesma. Não que fosse um desrespeito para comigo.
Soava mais como uma afronta. Mas era tão distante, que mal dava para se ouvir direito!
Minha triste fantasia utópica. Começava a cair sobre os meus pés.
E o que era esperança, agora parecia desespero.
Deformava-me agora em sua frente.
E surgia de mim um monstro. Uma criatura sinistra, arisca, confusa e abandonada.
- Fica!...Você não precisa ir! - eu insistia
Enquanto isso, meu peito sussurrava:
Você não precisa da minha dependência eterna!

4 comentários:

paul.eric disse...

- Que puxa!...

Agentes da L.O.U.C.A disse...

Sacudindo a mesmice...

Renato "Hell" Albasini disse...

Que história que se repete...Se tu ver o roteiro do filme na postagem anterior, caberá nesse multiverso que se formaram...congratulações...

Agentes da L.O.U.C.A disse...

Discordo do mestre Reginaldo Rossi... MESA DE BAR não mata a tristeza porra nenhuma.
A CANHA é instrumento do diabo, a incutir ideias e maus conselhos ao triste vivente!
Tommy Wine Beer.