terça-feira, 27 de abril de 2010

"COMO UMA MÁQUINA DE DESOLAÇÕES" por Tommy Wine Beer








Me sinto confuso como o diabo...





Então escolho uma faixa bem triste do Dylan no MP3, do Modern Times. Bob Dylan com uma voz de ratazana malvada de desenho animado.


Cantando com o nariz!


Posso até ver aquele rosto macilento dizendo “a felicidade não é uma prioridade para mim”.


Se o Peninha falou tem FÉ PUBLICA né?


Agora ouço Desolation Row. Me sinto uma máquina de desolações. Esta é que é a verdade!

Se ao menos fosse a “Cate Dylan” cantarolando baixinho em meus ouvidos...ah Blanchett!!!


E até “o cara que renasceu do Inferno” está consternado: sem trabalho, brigou com a garota de sua vida... LUNATICAMENTE comemora os 200 posts!


Tem horas que parece que o ESSENCIAL não é invisível! E que já é tarde pra COMEÇAR!


Depois da formatura e da cirurgia ACHEI que beberia do vinho chamado ventura. Não foi assim...


Nem tão paradoxalmente assim sinto falta de meus velhos estágios infernais e entorpecentes no serviço público .


Tentei ser segurança. Lá estava eu. Cabelos cortados. Barba feita. Ao lado de um recipiente de chopp gigantesco, de uns dois metros, eu salivava sem poder degustar uma única gota. Enquanto os ricos se esbaldavam!


Depois tentei um restaurante! Em dois dias minhas costas já não agüentavam mais lavar o chão! Sem falar do embaraço de minha absoluta inépcia na arte de descascar cebolas e tomates. Fiasco!


Resolvi abrir meu próprio negócio! Montamos (Preta e eu) um estande clandestino na rua da Praia. Vendedor de livros. Sim, se você avistou, no verão, uma garota jovem e um cara nem tanto, mamando garrafas de vinho branco, em frente ao Centro Cultural CEE Érico Verissimo, aquele era Tommy Wine Beer. Éramos nós!


Meus “Kerouacs” meus “Bukowskis” e minhas biografias do Dylan se foram...


Kerouac era a minha Benzedrina. Hank minha Ceva. Dylan minhas asas.


Vendi todos vocês velhos loucos! Hehehe...


Ficou só um Buk. Sem capa, amassado. Todo fodido. Parece o meu coração.


E o Sannio? Nos últimos meses: EXILADO em Porto Alegre. Não encontrava o cara!


Aquele Sannio! O anarquista esotérico!


Ou seria melhor “anarcotizado erotérico”: ½ anarquista, ½ narcótico; ½ pornógrafo (erótico), ½ esotérico!


Lembrei duma boa do Sannio:


Sem mentira, uma vez eu tava tomando uns goros no Entre Bar eu acho, e chegou ele. FEBRIL e com um papel dobrado no bolso! Me passou o papel pra que eu lesse, nos garranchos havia uma data que correspondia aquele momento, e uma profecia que tinha saído de casa para me encontrar.


DETALHE: não havíamos combinado nada!


O profético Sannio!


Agora parece que se foi mesmo. E não pude comparecer na bebedeira de Sábado! Tava sem dinheiro, sem fibra!


É isso aí: a minha insolvência não é só financeira; é anímica também!


Tapes. Ora, Tapes!


Anímica? Ora, “anímica”! Que palavrinha de merda! Pernóstica!


E tenho umas linhas rabiscadas num caderno sobre você rapá! É pra ser um poemeto. Com uma pitada de humor. Como de costume. Talvez algum achado espirituoso.


Só que agora velho parece que a felicidade é mesmo uma canção triste e um copo de Dreher. É o que parece.


Pura angústia existencial sub-burguesa?


Ainda tenho um tratamento de canal pra hoje porra!


Agora se alguém quiser comentar este texto o enderecem para a fileira da desolação.

_______




4 comentários:

Raphaela Flores disse...

bom muito bom... me identifico co vários textos e com sentimentos expressos neles.. é um alento

paul.eric disse...

Elétrico depoimento acústico...
Que puxa!!

Agentes da L.O.U.C.A disse...

POIS É...

O PROBLEMA É QUE INFELIZMENTE "ALENTOS" NÃO PAGAM A PASTA DE AMENDOIM NÉ PESSOAL!?

MAS VALEU O COMENTÁRIO.

AOORA POR JUSTIÇA, FALTOU CITAR MEUS LIVRINHOS DO JOHN FANTE QUE TB TANTO AMAVA! SE DYLAN ERA MINHAS ASAS, BUK. MINHA CEVA, KERO MINHA BENZEDRINA; ENTÃO FANTE-BANDINI ERA O "VINHO DE MINHA JUVENTUDE"!

E TU SANNIO PARECE UM FORAGIDO, VAI GASTAR ESSE SEGURO-DESEMPREGO TODO SOZINHO COM AS TABERNEIRAS?

pretissima disse...

um dia nao mto distante recupero TODOS livros e te presenteio!
dai te tiro desta fileira de desolaçao(mesmo que por um instante).
então beberas novamente o vinho da juventude chamado ventura em meus seios!
amo tu ,
preu.